O cemitério: Aprender a lidar com a morte

Louis Creed, um jovem médico de Chicago, acredita ter encontrado o seu lugar ao sol numa pequena cidade do interior do Maine. Casa Confortável,um bom trabalho na universidade local, a família parece feliz e satisfeita exceto pelo fato da casa se situar em frente uma estrada perigosa onde passam muitos caminhões, difícil não pensar nos perigos tendo dois filhos pequenos.


Além da estrada perigosa uma outra coisa que percebem logo foi um caminho ao lado casa que se perde mata, mas não ficam curiosos por muito tempo logo conheceu um senhor muito simpático seu vizinho mais próximo o Sr. Crandall que lhes informa que esse caminho leva a um antigo cemitério de animais, vendo a empolgação das crianças já promete levar eles pra conhecer em breve.


Louis Creed médico e ateu não levava a sério as histórias de terror e sobrenaturais que passou a escutar nessa pequena cidade, entretanto, quando o gato de estimação da sua filha morre atropelado e por motivos que ele não pode explicar através da ciência volta a vida, ele vai descobrir que existem coisas muitos mais difíceis de lidar do que com a morte.


Curiosidade sobre o livro:
Stephen King disse ter ficado resistente a publicar este livro Ele tinha razão: enquanto outros livros são apenas assustadores, esse conto traz uma proximidade muito grande com os nossos medos, pois, quem nunca sentiu medo de perder para morte um ente próximo e querido e de algum modo ser trazido à vida, e ter que lidar mais uma vez com o medo da perda.


A introdução de King a este romance relata: sobre como ele escreveu, depois se viu horrorizado, mais uma vez devemos agradecer a sua esposa.
Nunca vamos saber se isso foi uma história real ou apenas um marketing; o que importa é, faz parte do mito. Se você leu essa ressalva antes de ler o livro em si, está no estado que ele quer que você esteja: pronto, disposto, mas apreensivo, receoso ou apenas levemente alerta, ou seja  o estado perfeito para ler algum horror.

Era tão errado, tão escuro, ele colocou numa gaveta e pensou que nunca iria publicá-lo. Então ele chegou ao fim de um contrato, e ele precisava publicar um romance. Restava apenas esse, e a sua esposa o convenceu a publicá-lo, mais uma vez temos que que agradecer a esposa de King.

Este foi o livro pelo qual comecei a ler king, acredito ter sido uma excelente escolha, pois foi uma paixão à primeira vista, já havia visto o filme quando criança e tinha gostado muito, mas quando li o livro a experiência foi outra muito diferente conectei-me de tal forma com a história difícil não se conectar com essa forma única de escrita do king , ele escreve com tamanha maestria a impressão que nos passa que não estamos lendo mais sim vendo fotos e alguém nos contando com detalhes sobre àquela imagem.


king com certeza foi o responsável por despertar em mim um desejo diário por leitura o qual comecei através da leitura deste livro, uma leitura cativante e aterrorizante ao mesmo tempo, por se tratar da morte um medo real, mas também uma certeza pra todos nós, o sobrenatural aqui é apenas um pano de fundo, esse livro vai tratar da impotência que temos em lidar com a morte de alguém querido ou até mesmo um animal de estimação.


Hoje nesse momento que escrevo, já tive o prazer de ler muitas obras do king o cemitério ainda permanece como a minha preferida, por esse motivo mesmo para aqueles que não gostem de contos de horror eu recomendo claro com ressalvas porque este livro é legitimamente um livro de terror e toda a sua trama pretende-te deixar assustado e com receio de ler o próximo capítulo, mesmo após o término da leitura ficará no seu íntimo um horror deixado pela obra, contudo, está obra não se trata apenas de ficar assustado, mas sim de lidar com um medo real qual seja a morte de alguém próximo e querido.


O cemitério ou (Pet Sematary):
Em 1989 foi lançado o filme pelo qual eu conheci a obra, porém, aqui vamos nos ater a obra literária lançada em 1983 apesar de ter sido uma criança muito esperta nesse ano eu tinha apenas 2 aninhos então só pude ler essa obra alguns anos depois, gostaram tanto que fiz uma releitura recente em 2018.
Aqueles que já tem costume de ler as obras de King, provavelmente perceberam que ele gosta de mostrar com frequência uma família norte-americana comum com os seus problemas cotidianos vivendo um dia de cada vez, passando muitas vezes a impressão que está falando de si mesmo.

Já adianto aqui não será diferente, mas confesso gostar deste tipo de escrita acho legal imaginar que foi o próprio autor que passou por tudo isso.


O personagem principal Louis é uma pessoa racional que deixa claro em algum momento ser ateu convicto, um médico que não aceita explicações tendo como base o sobrenatural sobre nada. Ao se mudar para uma casa próxima a cidade de Ludlow no interior do Maine com a sua família, ao passar por situações no mínimo estranhas já não sabe mais em que acreditar.

A vida da família Creed tinha tudo pra ir bem; casa nova, se dava bem com o vizinho, emprego novo e o mais importante família feliz,entretanto, tudo estava pra mudar tão logo churchill o meigo e bonzinho gato de estimação sua filhinha Ellie, é atropelado e morto, quem encontrou o gatinho morto foi seu vizinho o velhinho muito gente boa chamado Jud Crandall mora do outro lado da estrada, ao perceber o desespero de Louis por não saber como dar essa notícia pra filha, Jud. apresenta-lhe uma alternativa, essa mesmo que vocês já devem estar imaginando enterrar o bichano no cemitério de animais, assim começaria a saga do personagem sobre como encarar a morte.


Apesar de o livro chamar o cemitério, aquele que é apresentado no começo da trama é apenas um cemitério onde as crianças enterraram os seus bichinhos, porém, Jud ao testemunhar o desespero de Louis vai apresentá-lo ao cemitério indígena o’qual reza a lenda trazer de volta à vida aqueles que ali são sepultados, mesmo Louis não acreditando no sobrenatural preferiu se apegar a essa fantasia do que ter que contar a sua filha sobre a morte do seu gato, no fundo, tentando apenas adiar o inevitável.

Como aceitar a morte:
Louis viu o chão desmoronar aos seus pés quando na manhã seguinte se deparou com Churchill vivo a sua frente apesar de estar um pouco diferente daquele gatinho meigo, a partir de então um homem jovem, médico que se considerava ateu e não acreditava em nada sobrenatural, nesse momento viu tudo a sua racionalidade cair por terra e daí por diante passaria a duvidar da sua sanidade mental.


Não queremos spoilers:
Espero ter contribuído para instigá los a ler essa obra magnífica, não gostaria de atrapalhar a experiência de leitura de ninguém por esta razão achei melhor parar por aqui, está história vai muito além de um simples terror, na verdade, se trata de um suspense psicológico que muitos de nós já vivemos ou podemos viver algum dia, muito se engana aqueles que acreditam se tratar apenas de um conto sobrenatural.

Aqueles que resolverem se aventurar nessa história,que, na verdade são algumas histórias em um mesmo conto, terão a oportunidade de participar de interessantíssimas reflexões sobre a vida e principalmente a morte, reflexões estas expostas aqui de forma brilhante e apresentada de pontos de vistas bem diferentes.

Recomendo ler se colocando no lugar do personagem que mais te agradou isso pode ser muito interessante para o seu crescimento pessoal, obrigado a todos pela confiança.
Se gostaram da resenha e se interessaram por mais, gostaria muito de saber:
https://mixtureba.blog/

Gostou da resenha? sentiu vontade de sentir essa experiência quer comprar o livro só clicar neste link:https://amzn.to/2Xjq8J2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: